Bailei na Curva 33 Anos-Eu Fui

   Em 1983, depois de um inverno daqueles bem frios meus pais chegaram em casa vindos do teatro, eles tinham ido assistir uma peça gaúcha que era a grande novidade do momento, e tinham ido à convite de um amigo de infância que havia gravado um Compacto com a música tema do grupo, eles até que gostaram e o tempo foi passando e o nome daquela peça me acompanhou por muitos anos.
   Já nos nos 90, um primo ao se mudar para o nordeste deixou seus discos aqui em casa e entre eles o pequeno compacto que ficou por anos ali na prateleira, até que um dia meu irmão foi selecionado para o elenco da famosa peça, sei que ele não gosta quando falo dos trabalhos dele, mas agora já foi.
   Foi à partir daí que começei a acompanhar realmente a saga de Bailei na Curva, a peça escrita por Julio Conte em conjunto com os atores das primeiras apresentações, entre eles a musa Márcia do Canto, aliás foi por causa dela que começei a pesquisar sobre a peça. Pois bem, nos últimos anos devo ter assistido umas três ou quatro apresentações e sempre tem no final uma forte emoção e ontem não foi diferente, atores e atrizes lacrimejando ao ouvir Julio Conte agradecendo ao público, Teatro São pedro lotado e uma curiosidade que me chamou a atenção, a bela da peça dessa vez era a filha de Julio Conte que passou os trinta e três anos à frente do espetáculo, a emoção dessa vez foi triplicada.
   Mas o que a peça tem de especial? brinca com fatos reais, situações que marcaram a geração dos anos 60 e que hoje estão aí vendo que nosso país nada mudou.

Comentários