Histórias da Nobreza Praiana

      Havia um tempo em que me sentia um nobre praiano, e na verdade, acho que realmente era, mas hoje em dia isso está tão longe que restam agora apenas lembrancas de um tempo que não volta mais.
 E a praia preferida era Capão da Canoa, a praia que meu bisavô ajudou a construir, tendo nela um comércio que era próspero para a época. A praca principal era um dos pontos preferidos para assistir ao desfile das beldades que naquela praia veraneavam.
As amigas extasiadas depois de uma tarde inteira de sexo da melhor qualidade, ficavam assim, caidas de cansaco e dormiam onde caiam, e era cada corpinho gostoso...
Comer melância na beira da praia era outra coisa insubstituivel, e se fosse assim como a da foto, era coisa para se esbaldar...
Acordar aquela amiga gostosa que passava os finais de semana no apê, lembrava os momentos de total taradice sem nenhuma vergonha....
Os "montes"de areia onde rolavamos com as namoradinhas de final de semana sem a preocupacão com areia nos olhos, na boca, nas orelhas e onde mais resolvesse entrar, éramos jovens e só queriamos viver e ter prazer...
E aquela namorada gostosa que parava a praia(quem não teve uma assim?), que desfilavamos com orgulho pela beira da praia ou pelo calcadão, e só faltava dizer: "podem olhar babacas, vocês olham, mas quem come sou eu", eu sei extremamente machista, politicamente incorreto, mas éramos jovens e queriamos viver...
E aqueles concursos para eleger a mais gostosa da turma, sempre ganhava a mais "putinha", mas ela sempre recompensava os votos ganhos, mas não deixavamos de testar todas....éramos tão jovens...
E as amigas da irmã, que apareciam do nada em nossa casa e provocavam, com seus minúsculos biquinis? quem tem irmã sabe, como era bom espiar as amigas, ou simplesmente ficar entre elas, melhor ainda era quando procuravam a irmã e ela não estava em casa...pelo menos disso eu tenho a foto para mostrar como eram belas, gostosas e jovens como eu, afinal pertenciamos a nobreza praiana e em nosso reino tudo acontecia. São tempos que não voltam mais.

Comentários